Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

um fado cego

 

 

 

 

Um fado cego 

                                                               

 

 

 

 

Dei pra dedilhar um fado cego
na guitarra portuguesa do meu medo
e pelo Alentejo eu carrego
D'oliva da manhã, o gosto azedo.

O peito enferrujado feito prego.
Heterônimo de dor e azulejo.
Meu amor, eu te amo te renego
na pessoa lusitana do meu beijo.

Quanto mais mar houvera, mais navego
oceano proceloso, céus, rochedo,
buscador que sou de primavera.

Quanto menos El Rey espera, mais eu chego,
noite alta, madrugada, manhã cedo,
na nau catarineta da quimera.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Donne Pitalurgh

 

 

 

 

 

 

 

.

publicado por paulokauim às 02:59
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. um fado cego

.arquivos

. Outubro 2011

. Junho 2011

. Maio 2010

. Janeiro 2009

.tags

. todas as tags

.favorito

. Carioca de (al)gema!

. Graffitis - Discussão

. Rua da Feira

. Tropecei na rede #003

..

website-hit-counters.com
http://www.website-hit-counters.com
blogs SAPO

.donne pitalurgh